Por que quase com certeza Deus não existe

O Boeing 747 definitivo

Em sua forma tradicional, o argumento do design inteligente é certamente o mais popular da atualidade a favor da existência de Deus e é encarado, por um incrível número de teístas como completa e absolutamente convincente. Ele é realmente um argumento fortíssimo e desconfio que irrespondível. O argumento da improbabilidade, empregado de forma adequada, chega perto de provar que Deus não existe. O nome que dei à demonstração estatística de que Deus quase com certeza não existe é a tática do Boeing 747 definivo.

O nome vem da interessante imagem do Boeing 747 e do ferro-velho, de Fred Hoyle. Hoyle disse que a probabilidade da vida ter surgido na terra não é maior que a chance de um furacão, ao passar por um ferro-velho, ter a sorte de construir um Boeing 747. Outras pessoas tomaram a metáfora emprestada para se referir à evolução dos seres mais complexos, onde ela tem uma plausibilidade espúria. A chance de se montar um cavalo, um besouro ou um avestruz plenamente funcionais misturando aleatoriamente suas partes pertence ao mesmo terreno do 747. Esse, em termos muito resumidos, é o argumento favorito dos criacionistas (um argumento que só poderia ter sido pensado por uma pessoas que não entende o essencial da seleção natural: alguém que acha que a seleção natural é uma teoria do acaso, quando – no sentido relevante de acaso – se trata do contrário.

A apropriação equivocada do argumento da improbabilidade pelos criacionistas assume o mesmo formato bárico, e não faz nenhuma diferença se o criacionista prefere disfarçá-lo na vestimenta politicamente mais atraente de “design inteligente”. Algum fenômeno (com frequência uma criatura viva ou um de seus órgãos mais complexos, mas pode ser qualquer coisa desde uma molécula até o próprio universo) é corretamente enaltecido como estatisticamente improvável. Às vezes é usada a terminologia da teoria da informação: o darwiniano é desafiado a explicar a fonte de toda a informação da matéria viva, no sentido técnico de conteúdo da informação como medida de improbabilidade ou “valor surpresa”. Ou o argumento pode invodar o lema banal dos economistas: não existe almoço grátis (e o darwinismo é acusado de tentar tirar alguma coisa do nada). Na realidade, a seleção natural darwiniana é a única solução conhecida pera o enigma insolúvel sobre a origem da informação. É a hipótese de que Deus Existe que tenta tirar alguma coisa do nada. Deus tenta comer seu almoço grátis e também ser o almoço. Por mais estatisticamente improvável que for a entidade que se queira explicar através da invocação de um designer, o próprio designer tem de ser no mínimo tão improvável quanto ela. Deus é o Boeing 747 definitivo.

O argumento da improbabilidade afirma que coisas complexas não podem ter surgido do acaso. Mas muitas pessoas definem “surgir por acaso” como sinônimo de “surgir na ausência de um design deliberado”. Não surpreende, portanto, que elas achem que a improbabilidade seja uma evidência do design. A seleção natural darwiniana mostra quanto isso está errado a respeito da improbilidade biológia. E, embora o darwinismo possa não ser diretamente relevante para o mundo inanimado (a cosmologia, por exemplo), ele nos conscientiza a pensar sobre áreas externas ao território original da biologia.

O entendimento profundo do darwinismo nos ensina a desconfiar da afirmação fácil de que o design é a única alternativa para o acaso, e nos ensina a buscar rampas gradativas de uma complexidade que aumente lentamente. Antes de Darwin, filósofos como Hume compreenderam que a improbabilidade da vida não significa que ela necessariamente tenha sido projetada, mas não conseguiram imaginar qual seria a alternativa. Depois de Darwin, todos nós deveriamos desconfiar, no fundo dos ossos, da simples idéia do design. A ilusão do design é uma armadilha que já nos pegou no passado, e Darwin devia nos ter imunizado, conscientizando-nos. Quem dera ele tivesse sido bem-sucedido com todos nós.

Texto extraído do início do capítulo 4 e sutilmente modificado para se adaptar ao blog.
Do livro ‘Deus, um delírio’, Richard Dawins. Companhia das Letras.

Anúncios

8 comentários sobre “Por que quase com certeza Deus não existe

  1. porque vc não o desafia para o debate em vez de ficar postando isoladamente. Prove que seu argumento e mais forte

    • WC? O cara que disse que mesmo se for confrontado com provas irrefutáveis de que está errado, continuará acreditando nas baboseiras que acredita? Acontece que o WC engana quem não é muito bom de raciocínio lógico e de ciências, pois ele é um mestre da lábia e dos malabarismos argumentativos.

      • kkkkk

        cara, ele passou o carro em todos ateus que muitos assumiam como sendo os grandes kkkkk

        imagine o Dawkins, que levou atraso até do matemático Jhon Lennox

        não é atoa que fica correndo do CRAIG

  2. Como cristão eu entendo que alguns questionamentos são bem difíceis de responder. Nem mesmo os grande apologetas do dias de hoje conseguem responder todas as perguntas, mas, fala sério, o argumento do Boeing 747 é simplesmente ridículo. Uma falha lógica seríssima.
    Se você é ateu e gosta de argumentos inteligentes, vá ler Jean-Paul Sartre. Richard Dawkins é uma piada.

  3. Dawkins escreve:
    “Por mais estatisticamente improvável que for a entidade que se queira explicar através da invocação de um designer, o próprio designer tem de ser no mínimo tão improvável quanto ela. Deus é o Boeing 747 definitivo.”

    E é verdade que a hipótese da existência de Deus é improvável, tão improvável quanto o argumento dos teístas, de que é muitíssimo improvável que um furação, ao passar por um ferro velho, crie por acaso um Boeing 747.

    O grande problema é que, embora improvável, a existência de Deus é a única hipótese que faz algum sentido lógico. A teoria do evolucionismo explica a evolução, não o surgimento da vida. O que se sabe é que nada surge do nada. Tudo que conhecemos é originado de alguma outra coisa (todos os seres vivos, por exemplo, só surgem de outro ser vivo). Dito isso, é totalmente ilógico crer a o universo e a vida surgiram a partir do nada. Somente admitindo-se a existência de um Deus (ou de uma causa primeira a todas as coisas, como preferirem chamar) é que há uma explicação lógica para a existência.

    • Apenas para complementar o raciocínio acima, é por isso que muitos cientistas admitem:

      Albert Einstein:
      “A ciência sem a religião é manca, e a religião sem a ciência é cega”.

      Plank (1858- 1947), fundador da física quântica, Prêmio Nobel 1918:
      “Nada nos impede disso, e o impulso do nosso conhecimento o exige… relacionar mutuamente a ordem do universo e o Deus da religião. Deus está para o crente no início dos seus discursos; para o físico, no término deles.”

      Howard Hathaway Aiken (1900-1973), pai do cérebro eletrônico:
      “A física moderna me ensina que a natureza não é capaz de ordenar a si mesma. O universo supõe uma enorme massa de ordem. Por isso, requer uma “Causa Primeira” grande, que não está submetida à segunda lei da transformação da energia e que, por isso, é sobrenatural.”

      Allan Sandage (1926-2010), astrônomo profissional, calculou a velocidade com que o universo se expande e sua idade pela observação das estrelas distantes:
      “Eu era quase um ateu na infância. A ciência foi o que me levou à conclusão de que o mundo é muito mais complexo do que podemos explicar. O mistério da existência só pode ser explicado mediante o sobrenatural.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s