ZEITGEIST – A Maior Estória Já Contada (transcrita)

Este post vai pra quem tem discada e não tem saco pra baixar o documentário.

Este é o sol. Desde o ano de 10.000 A.C, a história abunda em pinturas e escritos que refletem o respeito e a adoração dos povos por este astro. [S1] E é simples entender o porquê, com seu aparecimento todas as manhãs, trazendo visão, calor e segurança, salvando-os do frio, e da escuridão da noite, repleta de predadores. Sem ele, todas as culturas perceberam que não haveriam colheitas nem vida no planeta. Estas realidades fizeram do sol o astro mais adorado de todos. Todavia, muitos estavam atentos também às estrelas. As estrelas formavam padrões que lhes permitiu reconhecer e antecipar eventos que ocorrem de tempos em tempos, tais como eclipses e luas cheias. Eles catalogaram grupos celestiais daquilo que conhecemos hoje como constelações.  [S2]

Esta é a cruz do Zodíaco, uma das mais antigas imagens na historia da humanidade. Ela representa o trajeto do sol através das 12 maiores constelações no decorrer de um ano. Ela também representa os 12 meses do ano, as 4 estações, solstícios e equinócios.  [S3]

O termo Zodíaco está relacionado com o fato das constelações serem antropomorfismos, ou personificações, como pessoas ou animais. [S4]

Por outras palavras, as primeiras civilizações não só seguiam o sol e as estrelas, como também as personificavam através de mitos que envolviam os seus movimentos e relações. [S5]

O sol, com o seu poder de dar vida e de salvar também foram personificados como se representasse um criador ou um deus… “Deus Sol”, a luz do mundo, o salvador da humanidade. [S6]

Igualmente, as 12 constelações representaram lugares de viagem pra o Deus Sol e foram nomeados por elementos da natureza que aconteciam nesses períodos de tempo. Por exemplo, Aquarius, o portador da água que traz as chuvas da Primavera. [S7]

Este é Hórus. Ele é o Deus Sol do Egito de 3.000 A.C. [S8]

Ele é o sol antropomorfizado, e a sua vida é uma série de mitos alegóricos que envolvem o movimento do sol no céu. [S9] [S10]

Dos antigos hieróglifos egípcios, conheceu-se muito sobre esse Messias solar. Por exemplo, Hórus, sendo o sol (ou a luz) tinha como inimigo o deus Set, que era a personificação das trevas ou da noite. E metaforicamente falando, todas as manhãs Hórus ganhava a batalha contra Set, e no fim da tarde, Set conquistava Hórus e o enviava para o mundo das trevas. [S12] [S13]

Será importante frisar que “Trevas x Luz” ou “Bem x Mal” tem sido uma dualidade mitológica onipresente e que ainda hoje é usada em muitos níveis.

No geral, a estória de Hórus é a seguinte: Hórus nasceu em 25 de Dezembro [S14] [S15] da virgem Isis-Meri.[S16] [S17] [S18]. O seu nascimento foi acompanhado por uma estrela no Oeste, [S19] que por sua vez, foi seguida por 3 reis em busca do salvador recém nascido. [S20] [S21] Aos 12 anos, era uma criança prodígio nos ensinamentos, e aos 30 anos [S22] [S23] ele foi batizado por uma figura conhecida por Anup e assim começou seu ministério. [S24] Hórus teve 12 discípulos [S25] e viajou com eles, fazendo milagres [S26] [S27] tais como curar os enfermos [S28] e andar sobre as águas. [S29] Hórus também era conhecido por vários nomes como: A verdade, A luz,  o Filho Adorado de Deus, o Bom Pastor, Cordeiro de Deus, entre muitos outros [S30] [S31]. Depois de ter sido traído por Tifão [S32], Hórus foi crucificado [S33] [S34], enterrado por 3 dias [S35], e então ressuscitou. [S36] [S37]

Estes atributos de Hórus, originais ou não, parecem influenciar várias culturas mudiais, e muitos outros deuses encontrados com a mesma estrutura mitológica.

Attis, da Phyrigia, nasceu da virgem Nana em 25 de Dezembro, crucificado, foi posto na tumba e 3 dias depois ressucitou. [S38] [S39] [S40] [S41] [S42] [S43]

Krishna, da Índia, nasceu da virgem Davaki com uma estrela no Ocidente assinalando sua chegada, fez milagres juntamente com seus discípulos, e após sua morte, ressuscita. [S44] [S45] [S46] [S47] [S48]

Dionísio, da Grécia, nasceu de uma virgem em 25 de Dezembro, foi um professor peregrino que praticou milagres como transformar água em vinho, e é referenciado como “Rei dos Reis”, “Filho Unigênito de Deus”, “O Início e o Fim”, entre muitas outras coisas, e após sua morte, ressuscitou. [S49] [S50] [S51] [S52] [S53]

Mithra, da Pérsia, nasceu de uma virgem em 25 de Dezembro, ele teve 12 discípulos e fazia milagres, e após sua morte foi enterrado por 3 dias e então ressuscitou, ele também foi chamado de “A verdade”, “A Luz” entre outros. Curiosamente, o dia sagrado de adoração à Mithra era em um Domingo. [S54] [S55] [S56] [S57] [S58]

O que importa salientar aqui é que existiram inúmeros salvadores, em diferentes períodos, em diversos lugares da terra que preenchem estas mesmas características.

A pergunta que não quer calar: O porquê destes atributos? Porquê o nascimento de uma virgem em 25 de Dezembro? Porquê a morte e a ressurreição após 3 dias? Porquê os 12 discípulos ou seguidores? Para descobrirmos, vamos examinar o mais recente dos Messias solares.

Jesus Cristo nasceu em 25 de Dezembro em Belém, ao nascer foi anunciado por uma estrela no Ocidente, que seria seguida por 3 Reis magos para encontrar e adorar o novo salvador. Tornou-se pregador aos 12 anos, aos 30 anos foi batizado por João Batista, e então iniciou seu ministério. Jesus teve 12 discípulos que viajaram com ele praticando milagres como curar doentes, andar sobre a àgua, ressuscitar mortos. Ele também é conhecido como o “Rei dos Reis”, O “Filho de Deus”, A “Luz do Mundo”, O “Início e o Fim”, O “Cordeiro de Deus” entre muitos outros. Depois de ter sido traído por seu discípulo Judas por 30 moedas de prata, ele foi crucificado, posto em uma tumba e após 3 dias ele ressuscitou e ascendeu aos céus. [S59]

Em primeiro lugar, a sequência do nascimento é completamente astrológica. A estrela no Ocidente é Sirius, a mais brilhante do céu noturno, que a cada 24 de Dezembro se alinha com outras 3 estrelas brilhantes no cinturão de Órion. [S60] Essas 3 estelas brilhantes são chamadas hoje como eram na antiguidade: Três Reis (Três Marias, no Brasil e Portugal) [S61] [S62]. Os Três Reis e a estrela mais brilhante, Sirius, todas apontam para o nascer do sol em 25 de Dezembro[S63]. Esta é a razão pela qual os Três Reis “seguem” a estrela ao Oeste, em uma ordem que apontam o amanhecer – O Nascimento do Sol. [S64]

A Virgem Maria é a constelação de Virgo, [S65] também conhecida como Virgo A Virgem. Virgo em Latin significa Virgem. Virgo também é conhecida como a “Casa do Pão” [S69] [S70], e a representação de Virgo é uma virgem segurando um feixe de espigas de trigo. Esta Casa do Pão e seu símbolo das espigas de trigo representa Agosto e Setembro, a época das colheitas. Por sua vez, Belém é a tradução ao pé da letra de “A Casa do Pão”. [S71] Belém é também a referência à constelação de Virgem, um lugar no Céu, não na Terra. [S72]

Existe outro fenômeno muito interessante que ocorre em 25 de Dezembro, é o solstício de inverno. Do solstício de verão ao solstício de inverno, os dias se tornam mais curtos e frios. Da perspectiva de quem está no hemisfério norte, o sol parece se mover para o sul, ficar menor e mais fraco. O encurtamento dos dias e o fim das colheiras conforme se aproxima o solstício de inverno, simbolizando o processo de morte. Era a morte do Sol. [S73] Pelo 22º dia de dezembro, o falecimento estava completamente realizado, e faz com que atinja seu ponto mais baixo no céu. Aqui algo curioso acontece: O Sol pára de se mover por 3 dias [S74]. Durante estes 3 dias, o Sol fica pelas redondezas da constelação do Cruzeiro do Sul (ou Crux ou Alpha Crucis) [S75] [S76] Depois desse período em 25 de Dezembro, o Sol se move 1 grau, desta vez para o norte, trazendo perspectiva de dias maiores, mais calor e a Primavera. [S77] E assim se diz: o Sol morreu na cruz, ficou morto por 3 dias, apenas para ressuscitar ou nascer mais uma vez. [S78] [S79] Esta é a razão pela qual Jesus e muitos outros deuses solares compartilham da idéia de crucificação, morte por 3 dias e o conceito da ressurreição. [S80] É o período de transição do sol antes de mudar para a direção contrária no Hemisfério Norte, trazendo a primavera, e assim a salvação. [S81] [S82]

Todavia, eles não celebram a ressurreição do sol até ao equinócio da primavera, ou Páscoa. Isto é porque no equinócio da primavera, o sol domina oficialmente o mal, as trevas, assim com o período diurno se torna maior que o noturno, e o revitalizar da vida na primavera emerge. [S83]

Agora, provavelmente a analogia mais óbvia de todas neste simbolismo astrológico são os 12 discípulos de Jesus. Eles são simplesmente as 12 constelações do zodíaco, com que Jesus, sendo o sol, viaja. [S84] [S85] [S86] [S87]De fato, o número 12 está sempre presente ao longo da bíblia. Este texto é mais astrológico do que qualquer outra coisa.

Voltando à Cruz do zodíaco, O elemento figurativo da vida é o sol, isto não era uma mera representação artística ou ferramenta para seguir os movimentos do sol. Era também um símbolo espiritual pagão, [S88] uma logo grafia similar a isto. [S89] isto não é um símbolo do cristianismo. É uma adaptação pagã da cruz do zodíaco. [S90] [S91] Esta é a razão pela qual Jesus nas primeiras representações era sempre mostrado com a sua cabeça na cruz, Jesus é o sol, Filho de Deus, a Luz do Mundo, [S92] o Salvador a erguer-se, [S93] que “renascerá,” [S94] assim como o faz todas as manhãs, a Glória de Deus [S95] que defende contra a força das trevas, [S96] assim como “renasce” [S97] a cada manhã, e que pode ser “visto através das nuvens” [S98] “Lá em cima nos céus,” [S99] com a sua “coroa de espinhos”, [S100] ou, os raios de sol.

Agora, nas muitas das referências astrológicas ou astronómicas na bíblia, uma das mais importantes tem a ver com o conceito de ‘Eras. Através das escrituras há inúmeras referências a essa “Era”. Para compreender isto, precisamos primeiro estar familiarizados com o fenômeno da precessão dos equinócios. Os antigos egípcios, assim como outras culturas antes deles, reconheceram que aproximadamente de 2150 em 2150 anos o nascer do sol durante equinócio da primavera, ocorria num diferente signo do zodíaco. Isto tem a ver com a lenta oscilação angular que a Terra tem quando roda sobre o seu eixo. É chamado de precessão porque as constelações vão para trás, em vez de permanecerem no seu ciclo anual normal. [S101] O tempo que demora cada precessão através dos 12 signos é de 25,765 anos. [S102] Este ciclo completo é chamado também de “Grande Ano,” [S103] e algumas civilizações ancestrais sabiam isso. Referiam-se a cada ciclo 2150 anos como “Era”. De 4300 A.C. a 2150 A.C., foi a ‘Era de Touro’. De 2150 A.C. a 1 D.C., foi a ‘Era de Aries’, e de 1 D.C. a 2150 D.C. é a ‘Era de Peixes’, A Era em que permanecemos nos dias de hoje, e por volta de 2150, entraremos na nova Era. A Era de Aquarius. [S104] [S105]

Agora, a Bíblia refere-se, por alto, ao movimento simbólico durante 3 Eras, quando se vislumbra já uma quarta. No Velho Testamento, quando Moisés desce o Monte Sinai com os 10 Mandamentos ele está perturbado ao ver a sua gente a adorar um bezerro dourado. [S106] De fato, ele até partiu as pedras dos 10 Mandamentos e disse a todos para se matarem uns aos outros para purgarem o mal. [S107] A maior parte dos estudiosos da bíblia atribuem esta ira de Moisés ao fato de os israelitas estarem adorando um falso ídolo, ou algo semelhante. [S108] A realidade é que o Bezerro Dourado é Taurus (Touro), e Moisés representa a nova Era de Áries. [S109] Esta é razão pela qual os judeus ainda hoje ainda assopram com o Chifre do Carneiro. [S110] Moisés representa a nova Era de Áries, [S111] e perante esta, todos têm de largar a velha. Outras divindades tais como Mithra marcam esta transição também, um deus pré cristão que mata o touro, na mesma linha simbólica. S112] [S113]

Agora Jesus é a figura portadora da Era seguinte à de Áries, a Era de Peixes, ou dos 2 peixes. [S114] [S115] O simbolismo de Peixes é abundante no Novo Testamento, assim como Jesus alimenta 5000 pessoas com pão e “2 peixes.” [S116] No início do seu ministério, enquanto caminhava ao longo da Galiléia, conhece 2 pescadores, que o seguem. [S117]

Agora reflita se voltar a ver um adesivo ‘Jesus-Peixe’ nas traseiras dos carros. Poucos sabem o que aquilo no fundo representa. É um simbolismo astrológico pagão para o reinado do sol durante a Era de Peixes. [118] Jesus assumiu também que a data do seu nascimento é também a data do início desta Era.

Em Lucas 22:10 quando Jesus é questionado se a próxima passagem será depois de ele ir embora, Jesus responde: “Eis que quando entrardes na cidade, encontrareis um homem levando um cântaro de água, segui-o até à casa em que ele entrar.” Esta escritura é de longe a mais reveladora de todas as referências astrológicas. O homem que leva um cântaro de água é Aquarius, o portador de água, que é sempre representado com um homem despejando uma porção de água. [S119] Ele representa a Era depois de Peixes, e quando o Sol (Filho de Deus) sair da Era de Peixes (Jesus), entrará na Casa de Aquarius, e Aquário é antes de Peixes na precessão dos equinócios. Tudo o que Jesus diz é que depois da Era de Peixes chegará a Era de Aquário. [S120]

Agora, todos já ouvimos falar sobre o fim do mundo. À parte o lado cartoonista explícito no Livro do Apocalipse, a espinha dorsal nesta ideia surge em Mateus 28:20, onde Jesus diz: “Eu estarei convosco até ao fim do mundo” [S121] (“dos séculos” em português). Contudo, na tradução Inglesa da Bíblia, a palavra “mundo” está mal traduzida, no meio de outras más traduções. A palavra realmente usada era “AEON”, que signifca “Era”. “Eu estarei convosco até ao fim da era”. O que no fundo é verdade, Jesus como personificação solar de Peixes irá acabar quando o sol entrar na Era de Aquário. [S122] Este conceito de fim dos tempos e do fim do mundo é uma má interpretação desta alegoria astrológica. [S123] [S124] [S125] [S126] [S127] Vamos dizê-lo a aproximadamente 100 milhões de americanos que acreditam que o fim do mundo está próximo.

Além disso, o personagem de Jesus, literalmente e astrologicamente um híbrido, só demonstra o quão plágio do Deus-Sol Hórus do Egito, Jesus é. [S128] [S129] [S130] [S131] Por exemplo, inscrito à 3500 anos atrás, nas paredes do Templo de Luxor no Egito. Estão imagens da enunciação, da imaculada concepção, do nascimento e da adoração a Hórus. [S132] As imagens começam com o anúncio à virgem Isis de que ela irá gerar Hórus, que Nef, o Espírito Santo irá engravidar a Virgem, e depois o parto e a adoração. [S133] [S134] E que é não mais do que o milagre da concepção de Jesus.Na verdade, as semelhanças entre Hórus e Jesus são flagrantes. [S135]

E o plágio continua. A história de Noé e da sua Arca é tirada diretamente das tradições. O conceito de Dilúvio é presente em todas as antigas civilizações, em mais de 200 diferentes citações em diferentes períodos e tempos. [S136] [S137] Contudo, não será preciso ir muito além da fonte pré cristã para encontrar a Epopéia de Gilgamesh, [S138] [S139] escrita em 2600 A.C. Esta história fala sobre grandes inundações ordenadas por Deus, uma Arca com animais salvos, e até mesmo o libertar e o retornar da pomba, entram em concordância com a história bíblica, entre muitas outras semelhanças. [S140]

E depois há a história plagiada de Moisés. Sobre o nascimento de Moisés, diz-se que ele foi colocado numa cesta de cana e lançado ao rio para evitar um infanticídio. Ele foi mais tarde salvo pela filha de um Rei e criado por ela como um Príncipe. [S141] Esta história do bebê numa cesta foi retirada do mito de Sargão de Akkad por volta de 2250 A.C. Depois de nascer, Sargão, foi posto numa cesta de rede para evitar um infanticídio e lançado ao rio. Foi depois salvo e criado por Akki, uma esposa da realeza Acádia. [S142] [S143]

Além disso, Moisés é conhecido como Legislador, Portador dos Dez Mandamentos, [S144] e da Lei Mosaica. Contudo, a ideia de a Lei ser passada de um Deus para um profeta numa montanha é também antiga. Moisés é somente um legislador numa longa linha de legisladores na história mitológica. [S145] Na Índia, Manou foi o grande Legislador. [S146] Na ilha de Creta, Minos ascendeu ao Monte Ida, onde Zeus lhe deu as Leis Sagradas. [S147] Enquanto que no Egito Moisés, tinha nas suas pedras tudo o que Deus lhe disse.

E no que diz respeito a estes Dez Mandamentos, Foram retiradas a papel químico do ‘Feitiço 125 do Livro dos Mortos’ [S149] do Antigo Egito. O que é que o Livro dos Mortos dizia? “Eu Nunca Roubei” tornou-se “Tu nunca roubarás”, “Eu nunca Matei” tornou-se “Nunca Matarás”, “Eu Nunca Menti” tornou-se “Nunca levantarás falsos testemunhos” e por aí adiante. [S150] A religião Egípcia é no fundo. a base fundamental para a teologia Judaico-Cristã. Batismo, Vida após a morte, Julgamento Final, Imaculada Concepção, Ressurreição, Crucificação, A Arca da Aliança, Circuncisão, Salvadores, Comunhão sagrada, Dilúvio, Páscoa, Natal, a Passagem, [S151] [S152] [S153] [S154] [S155] [S156] [S157] [S158] [S159] [S160] [S161] [S162] [S163] [S164] [S165] [S166] e muitas outras coisas e atributos são idéias Egípcias, nascidas muito antes do Cristianismo ou Judaísmo.

Justin Martyr, um dos primeiros historiadores e defensores Cristãos, escreveu: “Quando nós (Cristãos) dizemos que, Jesus Cristo, nosso mestre, foi produzido sem união sexual, morreu e ressuscitou e ascendeu aos Céus, nós não propomos nada de muito diferente do que aqueles que propõem e acreditam tal como nós, nos Filhos de Júpiter”. [S167] Numa escrita diferente, Justin Martyr diz: “Ele nasceu de uma virgem, aceite isto em comum com o que você acredita dos Perseus”. [S168] É óbvio que Justin e outros cristãos cedo souberam como o Cristianismo era semelhante a outras religiões pagãs. Contudo, Justin tinha uma solução: “Para além de tudo o que sabemos, o Diabo era em quem mandava.” O Diabo teve a ambição de chegar primeiro que o Cristo, e criou estas características para o mundo pagão. [S169]

A Bíblia não é nada mais do que um híbrido literário astro-teológico, tal como todos os mitos religiosos que os antecederam. [S170] [S171] [S172] [S173] [S174] De fato, o aspecto da transferência de atributos, e umas personagens para as outras é facilmente reconhecida no próprio livro em si. No Antigo Testamento há a história de José. José era um protótipo de Jesus. José nasceu de um milagre, [S175] Jesus nasceu de um milagre. [S176] José tinha 12 irmãos, [S177] Jesus tinha 12 discípulos. [S178] José foi vendido por 20 pratas, [S179] Jesus foi vendido por 30 pratas. [S180] Irmão “Judá” sugere a venda de José, [S181] o discípulo “Judas” sugere a venda de Jesus. [S182] José começa os seus trabalhos aos 30, [S183] Jesus começa aos 30 também. [S184] Os paralelismos continuam.

Além disso, haverá algum registo não-bíblico da existência de mais alguém chamado Jesus, filho de Maria, que viajou com 12 seguidores e curou pessoas? Existiram muitos historiadores que viveram no Mediterrâneo durante esse mesmo período e até mesmo após a presumível morte de Jesus. [S185] Quantos desses historiadores fizeram relatos sobre a sua figura? Nenhum. [S186] Porém, para sermos justos, não significa que os defensores da existência de Jesus nunca tenham reclamado o contrário. São particularmente 4 referidos como pioneiros sobre a teoria da existência de Jesus. Plínio ‘o Jovem’, Suetónio e Tácito, foram os primeiros 3. [S187] Cada uma das suas máximas consiste apenas em algumas frases em que na melhor das hipóteses se refere a Christus ou Cristo, e que na realidade não é um nome mas sim uma titulação. E que significa ‘O Escolhido’. [S188] A quarta fonte é Josefo, cujos documentos ficou provado terem sido falsificados séculos atrás e para infortúnio da humanidade, por muitos ainda visto como verdadeiros.

Poderá alguém se ter aproveitado das idéias ‘renascer’ dos mortos, a ‘ascensão’ ao Reino dos Céus e a prática de milagres e que partir daí tenha começado a surgir nos registos históricos. Não, porque uma vez pesadas as evidências, há grandes probabilidades da figura conhecida como Jesus, nunca sequer ter existido.[S190] [S191] [S192] [S193]

A realidade consiste em que, Jesus foi a divindade solar do setor gnosticista cristão, [S194] [S195] [S196] e tal como outros deuses pagãos, era uma figura mítica. Foi sempre o poder político que procurou monopolizar a figura de Jesus para controle social. Por 325 D.C. em Roma, o Imperador Constantino reuniu o ‘Concílio Ecuménico de Nicéia’. [S197] E foi durante esta reunião que as doutrinas políticas com motivação cristã foram estabelecidas e assim começou uma longa história de derramamento de sangue e fraude espiritual. E nos 1600 anos que se seguiram, o Vaticano dominou politicamente e com mão de ferro, toda a Europa, conduzindo-a a um período de obscurantismo onde o conhecimento era apenas um privilégio da Igreja, às Cruzadas e à Santa Inquisição.

O Cristianismo, bem como todas as crenças teístas, são a fraude desta Era. Serviu para afastar o seres humanos do seu meio natural, e da mesma maneira, uns dos outros. Sustenta a submissão cega do ser humano à autoridade. Reduz a responsabilidade humana sob a premissa de que “Deus controla tudo”, e que por sua vez os crimes mais terríveis podem ser justificados em nome da perseguição Divina. E o mais importante, dá o poder aqueles que sabem a verdade e usam o mito para manipular e controlar sociedades. O mito religioso é o mais poderoso dispositivo já criado, e serve como base psicológica para que outros mitos floresçam ou o justifiquem.

Fontes:

[S1] – Singh, Madanjeet: ‘The Sun- Symbol of Power and Life, UNESCO Pub., 1993
[S2] – Krupp, Edwin: In Search of Ancient Astronomies, Mcgraw-Hill, 1979
[S3] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, Chaper III: “The Symbolism of the Zodiac
[S4] – Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 53-56 [Chapter: “The Zodiac and Its Signs]
[S5] – Carpenter, Edward: Pagan & Christian Creeds, 1920. Page 36-53 [Chaper III: “The Symbolism of the Zodiac]
[S6] – Acharya S.: Suns of God, Adventures Unlimited Press, 2004. Page 60-85 [Chaper III: “The Sun God”]
[S7] – Hazelrigg, John.: The Sun Book, Health Research, 1971. Page 43
[S8] – Acharya S.: Suns of God, Adventures Unlimited Press, 2004. Page 86-95
[S9] – Olcott, William Tyler : Suns Lore of All Ages, The Book Tree, 1914. Page 157
[S10] – Mackenzie, Donald: Egyption Myth and Legend, 1907 Page 163
[S11] – Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, Page 48, 51
[S12] – Acharya S.: Suns of God, Adventures Unlimited Press, 2004. Page 92, 113
[S13] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 257-259
[S14] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Page 39-40
[S15] – Septehenses, Clerk De.: Religions. of the Ancient. Greeks, p. 214.
[S16] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 327-328
[S17] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Page 40
[S18] – Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 53-56 [Chapter 7: “Isis, the Virgin of the World”]
[S19] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Page 12-13
[S20] – Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p111-113
[S21] -Walker, Barbara: Women’s Encyplodia of Myths and Secrets, p. 748-754
[S22] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 56-61
[S23] – Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 613-620
[S24] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 614
[S25] – Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 600-607
[S26] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 256, 273
[S27] – Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 623-661
[S28] – Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Page 626
[S29] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 74-75
[S30] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 115
[S31] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 43-47
[S32] – Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. Page 93
[S33] – Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, Page 135
[S34] – Bonswick, James: Egyption Belief and Modern Thought, p. 157
[S35] – Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Page 628-629
[S36] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 222- 223
[S37] – Bonswick, James: Egyption Belief and Modern Thought, p. 150-155, 178
[S38] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 107-108
[S39] – Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 403-409
[S40] – Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 67
[S41] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 190-191
[S42] – Berry, Gerald: Religions of the World, B&N, p.20
[S43] – Weigall, Arthur: The Paganism in our Christianity, Thames & Hudson, 1999 p115-116
[S44] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, p 12
[S45] – Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. Chapter 7
[S46] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 113-115
[S47] – Wilkes, Charles (translator): Bhagavat-Geeta, 1785 p 52
[S48] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 278-288
[S49] – Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 29, 33, 38, 48, 56
[S50] – Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 451-452, 543
[S51] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 111-113
[S52] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 193
[S53] – Weigall, Arthur: The Paganism in our Christianity, Thames & Hudson, 1999 p220-224
[S54] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p10
[S55] – Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 33, 42
[S56] – Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 415-420
[S57] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 223
[S58] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Page 118-120
[S59] – King James Version, The Holy Bible, Holman
[S60] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p16-17
[S61] – Charles F. Dupuis : Origine de Tous les Cultes, Paris, 1822
[S62] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 12-13
[S63] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 140-146
[S64] – Irvin & Rutajit: Astrotheology and Shamanism, The Book Tree, Pages 25-26
[S65] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p 17-18
[S66] – Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 391
[S67] – Moor, Edward, The Hindu Pantheon, Simpson, p154
[S68] – Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p43
[S69] – Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 33
[S70] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 27
[S71] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Pages 189-190
[S72] – Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. p199,220-221,352-353
[S73] – Frazer, James.: The Golden Bough, Touchstone, 1963. Page 415-417
[S74] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Pages 154-155
[S75] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 10, 98
[S76] – Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p41
[S77] – Roy, S.B: Prehistoric Lunar Astronomy, Institute of Chronology, New Delhi, 1976 p.114
[S78] – Bonswick, James: Egyption Belief and Modern Thought, p. 174
[S79] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 495-508
[S80] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 483-492
[S81] – Olcott, William Tyler : Suns Lore of All Ages, The Book Tree, 1914. chapter IX
[S82] – Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 183
[S83] – Doane, Thomas: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 496
[S84] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. Pages 166-183
[S85] – Higgins, Godfrey: Anacalypsis, A&B Books. Pages 781-782
[S86] – Anderson, Karl: Astrology of the Old Testamate, Health Re. p18
[S87] – Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 185
[S88] – Campbell, Jospeh: Creative Mytholigy- The Masks of God, Penguin, p 24-25
[S89] – Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 363
[S90] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.218
[S91] – Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p41
[S92] – King James Version, The Holy Bible, Holman, John 9:5
[S93] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 28:6
[S94] – King James Version, The Holy Bible, Holman John 14:3
[S95] – King James Version, The Holy Bible, Holman, 2 Corinthians 4:6
[S96] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Romans 13:12
[S97] – King James Version, The Holy Bible, Holman, John 3:3
[S98] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Mark 13:26
[S99] – King James Version, The Holy Bible, Holman, John 3:13
[S100] – King James Version, The Holy Bible, Holman, John 19:5
[S101] – Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. Page 53-54
[S102] – A.L. Berger; Obliquity & Precession for the last 5 million years; Astronomy & astrophysics (1976), p127
[S103] – Campion, Nicholas: The Great Year: Astrology, Millenarianism, and History in the Western Tradition, Penguin
[S104] – http://en.wikipedia.org/wiki/Precession_of_the_equinoxes
[S105] – http://en.wikipedia.org/wiki/Age_of_Aquarius
[S106] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 32-34
[S107] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 32:27
[S108] – http://en.wikipedia.org/wiki/Golden_calf#The_Sin_of_Idolatry
[S109] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.146
[S110] -Wagner, Leopold: Manners, Customs, and Observances; Jewish Fasts and Festivals 1894 # 403
[S111] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p16-17
[S112] – Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. p 127
[S113] – Hall, Manly P.: The Secret Teachings of All Ages, 1928. P 55
[S114] – Dowling, Eva S. A, Ph.D: Scribe to the Messenger, p 6
[S115] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, p 30
[S116] – King James Version, The Holy Bible, Holman, John 6:9-11
[S117] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 4:19
[S118] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.146
[S119] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.146-147
[S120] – Leedom, Tim.: The Book your Church Doesnt Want You to Read, Truth Seeker,. p.25
[S121] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 28:20
[S122] – Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p44
[S123] – Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 282, 366
[S124] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 1-10
[S125] – Massey, Gerald.: Lectures, A & B, p 7-8
[S126] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.265-274
[S127] – Wells, G.A.: Who was Jesus?, Open Court 1991 p179
[S128] – Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 109-118
[S129] – Budge. Sir. E.A. Wallis: The Gods of the Egyptions Vol I, Methuen and Co. p566-599
[S130] – Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 394-403
[S131] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 122,190,213,222,256,327,363,476,484
[S132] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.115-116
[S133] – Jackson, John: Christianity before Christ, AAP, p. 110-112
[S134] – Massey, Gerald.: The Historical Jesus and the Mythical Christ, The Book Tree, . Pages 32-35
[S135] – Massey, Gerald.: Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Page 663-671
[S136] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.237-239
[S137] -Walker, Barbara: Women’s Encyplodia of Myths and Secrets, p. 315
[S138] -Thompson, R. Campbell (tr. by ): The Epic of Gilgamish, 1928
[S139] – Budge. Sir. E.A. Wallis: The Babylonian Story of the Deluge and the Epic of Gilgamish, 1929
[S140] – Teeple, Howard M.: The Noah’s Ark Nonsense, Religion and Ethics Institute, 1978
[S141] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 2:1-10
[S142] – Blavatsky, H. P.: The Secret Doctrine Vol 1, p 319-320
[S143] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.241-243
[S144] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Exodus 20:2-17
[S145] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 55-61
[S146] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.241
[S147] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 60
[S148] – Graham, Lloyd, Deceptions and Myths of the Bible, Citidel, 1991, p. 147
[S149] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Pages 526-528
[S150] – Budge. Sir. E.A. Wallis: The Book of the Dead, Gramercy, Chapter CXXV
[S151] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 319-321
[S152] – Budge. Sir. E.A. Wallis: The Book of the Dead, Gramercy, p66
[S153] – Budge. Sir. E.A. Wallis: The Book of the Dead, Gramercy, Chapter CXXV
[S154] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p99-148
[S155] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p84, 197-198,200, 202, 213, 215
[S155] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p888-893
[S156] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 181-205
[S157] – Maxwell, Tice, Snow: That Old-Time Religion,The Book Tree, p51-53
[S158] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p942, 951-952
[S159] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 85-87
[S160] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, Book 4, p149-196
[S161] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics , p92 180, 192, 26-266
[S162] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.237-239
[S163] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World , Cosimo, p130, 228, 274, 584-585, 859, 870, 880
[S164] – Olcott, William Tyler : Suns Lore of All Ages, The Book Tree, 1914. chapter IX
[S165] – Bonwick, James: Egyptian Belief and Modern Thought, C. Kegan, 1878, p.237
[S166] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p888, 797 [* also see S163]
[S167] – Martyr, Justin: First Apology / The Apostolic Fathers: Martyr and Irenaeus by Philip Schaff. Eerdmans Pub.
[S168] – Martyr, Justin: I Apol., chs. xxi, xxii; ANF. i, 170; cf. Add. ad Grace. ch. lxix; Ib. 233.
[S169] – Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, Chapter 3 -“Diabolical Mimicry”
[S170] – Doane, Thomas.: Bible Myths and Their Parallels in Other Religions, p. 466-507
[S171] – Churchward, Albert: The Origin & Evolution of Religion, p 404-409
[S172] – Carpenter, Edward: Pagan and Christian Creeds, DODO Press, Chaper II & III
[S173] – Massey, Gerald. :Ancient Egypt The Light of The World ,Cosimo Classics, p563-622
[S174] – Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. Chapters II, III, IV
[S175] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 30:22-24
[S176] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matt. 1:18-23
[S177] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 42:13
[S178] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matt. 10-1
[S179] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 37:28
[S180] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matt. 26:15
[S181] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 37:26-27
[S182] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 26:14-15
[S183] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Gen. 37:28
[S184] – King James Version, The Holy Bible, Holman, Matthew 26:15
[S185] – Murdock, D.M. – Who was Jesus?, Steller House Publishing, Chapter “Extrabiblical Testimony”
[S186] – Remsburg, John E.: The Christ Myth, Nuvision Pub, p 17-30
[S187] – Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p. 133-139
[S188] – Doherty, Earl: The Jesus Puzzle, A&R,p78
[S189] – Acharya S.: Suns of God , Adventures Unlimited Press, 2004. p381-388
[S190] – Doherty, Earl: The Jesus Puzzle, A&R, Chapter 2
[S191] – Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, Chapter 7
[S192] – Murdock, D.M. – Who was Jesus?, Steller House Publishing, 2005
[S193] – Remsburg, John E.: The Christ Myth, Nuvision Pub, Chapter 1
[S194] – Allegro, John – The Dead Sea Scrolls and the Christian Myth, Prometheus Books, 190-203
[S195] – Massey, Gerald. : Lectures- Gnostic amd Historic Christianity,Cosimo Classics, p. 73-104
[S196] – Freke & Gandy: The Jesus Mysteries, Three Rivers Press, p 89-110, 253-256
[S197] – Acharya S.: The Christ Conspiracy, Adventures Unlimited Press, 1999. p.340-342

Anúncios

29 comentários sobre “ZEITGEIST – A Maior Estória Já Contada (transcrita)

  1. Ricardo:

    Obrigada eu. Estás a fazer um excelente trabalho. Lembrou-me um livro que li recentemente que transcrevia uma entrevista entre Bill Moyers e Joseph Campbell.

    Abração!

    ;)

  2. : :

    Ótima iniciativa, ótimo trabalho. Ajuda bastante na divulgação das informações.

    Também tive problemas com o arquivo do video, consegui gravar apenas a versão DVD sem legendas e a versão do Google, com legendas porém com péssima resolução.

    Não vou citar no meu b’log como posto somente porque não encaixa na proposta, mas fica como atalho nas sugestões.
    _______

  3. Parabéns amigo, você e uma vanguarda na árdua luta de divulgação científica aqui no Brasil.

    Parabéns e continue assim.

  4. Caros amigos essa parte transcrita é realmente a que se salva no filme o resto são teorias conspiratorias utilizada ate por racistas nos EUA, so faltou colocar o revisionismo do holocausto…Achei uma pena um documentario tão bom terminar desse geito vai terminar queimando mais o ateismo. Parabens por Ricardo Braida pela transcrição. Agora so falta colocar o filme O deus que não estava lá ” esse é bom. ! Pois ninguem consegue o download dele com legendas imbutidas…Abraços a todos !!!

  5. Daniel,

    Eu tenho o filme ‘O Deus que não estava lá’ em DVDRip, com legendas. Porém não adianta colocar o filme em um desses sites pra download tipo rapidshare, porque os caras que produziram o filme garimpam a internet e pedem para que os sites o retirarem do ar por violação de copyright.

  6. Excelente trabalho, meu caro! Estamos todos muito gratos! Copiei tudo e enviei a todos os meus contatos como mensagem de Páscoa. huahuahuahua! Saudações cordiais

  7. MAS HÁ ERROS GRAVES NA TRANSCRIÇÃO, RICARDO. POR EXEMPLO, A ESTRELA SÍRIUS É A ESTRELA DO ORIENTE, DO LESTE, ESTANDO JUSTAMENTE ONDE O SOL NASCE!!! ;)

  8. Caros amigos sou militante da causa ateista, mas argumentos tipo desse filme queimam muito a imagem do pensamento ateista, as teorias conspiratorias… e a luta por querer igualar a historia de cristo a de outros mitos, por exemplo, tifão que segundo o filme teria traido Horus é na verdade elemento da mitologia grega. Onde se acha que horus foi crucuficado???na mitologia egipcia???
    Veja o link sobre tifão na wikepedia: ” Tifon , deus grego da seca (filho de Tártaro e de Gaia), simbolizava o elemento Ar em sua forma mais furiosa, os furacões. Foi criado em Delfos e era inimigo hereditário dos deuses, principalmente de Zeus, por quem mantinha um ódio cruel. (Há versões que contam que Hera, a esposa de Zeus, foi ludibriada por Gaia, visto Gaia saber que a deusa queria destronar o marido. Hera teria recebido uma semente de Gaia, e tendo plantado esta, teria nascido Tifon da terra.) Tifon era maior que todas as montanhas …” http://pt.wikipedia.org/wiki/Tif%C3%A3o

    Argumentos sem base??? Onde esta as provas??? que exames grafotecnicos ja provaram que a passagem de Flavio Josefo é falsa – Cade a prova ??

    Richard Dawkins em seu livro Deus um Delirio afirma que provavelmente cristo tenha existido e isso não muda nada a respeito da fé cristã, pois é simplesmente impossivel haver provas de sua ressureição…

    O que acho é que nenhum pensamento pode burlar informações para querer provar uma ideía a qualquer custo…Ela deve ser posta em evidencia, com o seu devido contraditorio e com uso de meios de controle em suas experiencias…
    Favor comentem…

    • Perfeito!! Estou lendo o livro de Dawkins… Sua colocação foi admirávelmente bem colocada. Pena que demoraram 8 anos pra reconhecer isso por escrito através de um comentário… Mas fico feliz por fazê-lo.

  9. TEM LÓGICA, MUITO BOM E VALE A PENA APROFUNDAR NESSES ESTUDOS. AS TRIBOS BRASILEIRAS DEVEM SER ESTUDADAS TAMBÉM.

  10. SOU ATEISTA TAMBÉM, MAS HOJE ESTUDO AS CAUSAS E EFEITO DOS ESPÍRITOS, DOS ASTROS. EU JÁ FUI UM INICIADO NO ATEÍSMO E GOSTO MUITO DOS ATEUS, SÃO MUITO IMPORTANTES PARA NÓS. MAS TEMOS QUE ESTUDAR DE TUDO, INCLUSIVE AS TRIBOS AQUI DAS AMÉRICAS…

  11. Por não acreditar em muitas coisas,é que só creio na ciência provada:estou lendo sobre o ateísmo e,estou gostando do que lí;obrigado por existirem,Orlando Rispoli.

  12. Ricardo, bom dia

    Gostaria de adquirir uma cópia do documentário “Zeitgeist”. Você sabe como posso fazê-lo?

    Obrigada

  13. Lena,

    Tem várias opções:

    – Você pode baixar o documentário inteiro (as 3 partes) via torrent no site oficial;

    – Você pode comprar o DVD pelo site oficial por $8;

    – Você pode assisti-lo online pelo Google Video;

    – E por ultimo, você pode baixar a parte 1 em versão reduzida para quem tem problemas de velocidade no servidor 4shared.

    Aqui está o link: http://www.4shared.com/dir/5741017/996350db/Zeitgeist.html

    E o link para o site oficial, lá tem as outras opções: http://zeitgeistmovie.com/

  14. Só para esclarecer, Tifão aparece na mitologia egípcia antes da mitologia grega. Lá ele é um dragão que trai hórus ameançando sua mãe Isis. Outra confusão é que Isis concebe Hórus depois da morte de Osiris, daí a idéia da virgem, sem conjunção carnal.
    Abraços
    JH

  15. A grande questão desse documentário é realmente se é verdade que o homem chamado de Jesus Cristo de fato existiu, como não há nenhum registro não biblico em relação a sua existência a teoria de que ele não existiu ganha força mas é pouco eu gostaria de acreditar que ele nao existiu pq sou contra as relgioes mas é necessário ser coerente por isso acho que é necesário provas mais contundentes

  16. Bom, sobre a obra de Flávio Josefo, na qual em um dos seus livros ele faz duas rápidas citações a Jesus, não foi por intermédio de exames grafotécnicos que se chegou a conclusão que tais referências eram na verdade interpolações. ( enxertos acrescidos posteriormente ao texto original ).

    Para entender porque Josefo jamais teria escrito aquelas linhas primeiro é preciso entender quem foi Josefo. Flávio Josefo foi um historiador judeu que liderou Israel na revolta do ano 70 DC contra os romanos. E era conhecido por sua meticulosidade e amor aos detalhes. Era capaz de escrever três páginas para descrever um simples julgamento de um ladrão. Flávio Josefo também nunca foi cristão. Viveu e morreu como judeu. No entanto, em um de seus livros, contando a história e costumes da Judéia, Josefo faz rápida menção a Jesus. Mais ou menos diz assim: ” Naquele tempo viveu um homem, se é que pode ser chamado de homem, e ele fez muitos prodígios… ele de fato foi o messias”. São apenas duas ou três linhas.

    Josefo não poderia ter escrito isso! Primeiro: naquela época os judeus esperavam intensamente a chegada do Messias, do libertador, já que estavam sob domínio romano. Alguém tão meticuloso como Josefo não escreveria duas linhas sobre o Messias e então retornaria ao assunto que estava tratando. Não ele, que gastava um capítulo inteiro para descrever banalidades. Por outro lado, a própria forma que a frase se encaixa no texto mostra que o falsificador aproveitou uma deixa sobre a época em que teria existido Jesus para acrescentar a frase. Além disso Josefo nunca foi cristão, o que contradiz a afirmação de que Jesus seria o Messias. Há referências de autores cristãos primitivos acusando Josefo de fazer censura contra Jesus, por jamais ter se referido a ele em sua obra. Isso porque estes autores fizeram estes registros antes do livro ter sido falsificado.
    Não há exame grafotécnico porque o original do livro, onde haveria a falsificação não existe mais. Apenas as cópias.

  17. todos preocupados em negar a divindade de Jesus Cristo ; mas para a tristeza de alguns e felicidade de outros ele é o Senhor a Pedra de esquina.o inicio e o fim, o ALFA e o Omega.
    creia e serás salvo tu e tua familia.

  18. aeh ricardo chará…

    voce achei seu blog por acaso e admiro pessoas que falam e não reproduzem, tem um olhar critico…

    qualquer semelhança é mera conhecidencia
    rsrsrsrsrs…

    add o mew gmail aeh kra pra gente trocar umas ideias (psywebing)…

    ps: continua com esse trabalho kra, ele é muito bom, parabens…

  19. Uma história não é repetida tantas vezes em tantas eras e lugares distantes por acaso. O Hinduísmo vê tais ocorrências como manifestações da Suprema Personalidade de Deus, ou seja o aspecto pessoal Dele que compõe, junto com seu aspecto impessoal (toda matéria e energia do universo) e todo-penetrante (a presença Dele em cada ser vivo) uma Trindade bastante parecida com a cristã. Na impossibilidade de compreendê-lo o homem por vezes o nega e mesmo o teme, pois nas raras vezes pode contemplá-lo em toda sua grandeza assustou-se com sua beleza e complexidade, como na transfiguração de Jesus na Bíblia ou na visão da sua Forma Universal no Bhagavad Gita, revelada ao privilegiado Arjuna, aquele que foi o amigo leal (verdadeira fé? busca incessante da verdade?) de krshna. O certo é que o homem não pode cimentar suas idéias em antidogmas em substituição aos dogmas, nem buscar somente fora de si, mas internalizar-se também como bem ilustrado na meditação do Buda Sidarta Gautama.

  20. Com tantos argumentos que comprovam os fatos relatados na Bíblia está ficando cada vez mais difícil para os ateístas defenderem suas descrenças. Ainda que não fosse possível comprovar materialmente a vida de Jesus e a sua história, a Bíblia não perderia a sua credibilidade, uma vez que ela não relata apenas fatos do passado (muitos comprovados arqueologicamente) mas também relata precisamente e com riqueza de detalhes fatos que nós vimos acontecer no nosso tempo (por exemplo, o retorno de Israel ao seu território de origem). Como os ateítas explicam isso? Também foi alguma historia da mitologia?

  21. Christian Adolpho e Everton

    Tente ler Psicologia e Religião e Os Arquetipos e o Inconsciente Coletivo de (Carl Gustav Young), e voce verá que essa repetição pode ter carater psiquico. Não Duvido de Deus, mas, no contexto do documentário Zeitgeist(recomendo que assista antes de criticar) e uma formação academica razoável é muito provavel que voce perceba que não precisamos da história de “clubinho” para afirmar sua crença em um ente superior. A qual a mesma proposta é uma das quais o documentario procura mostrar.
    obr.

  22. Pingback: Erros comuns que ateus cometem – Logos Apologetica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s