Flamengo copia Inter, novamente!

A maior torcida do Brasil copiou um canto colorado, pela segunda vez, a primeira você pode ler aqui.

Desta vez, o plágio tem a canção inspirada na música Pelados em Santos, do grupo Mamonas Assassinas.

A estréia do canto colorado se deu no início do Gauchão de 2008, ganho de forma invicta pelo Internacional e remonta ao jogo contra a equipe do Juventude no Beira-Rio, na data de 1/2/2008.

Hoje ao acessar o site do Globo Esporte, me deparo com a seguinte notícia:

Líder do NBB, basquete do Flamengo inspira novo ‘grito de guerra’. 

Lê aí.

Aí você vai me pedir pra eu dar um tempo, pois afinal é a equipe de basquete do Flamengo. Basquete… uma ova… esse bando de pau no cu tá cantando isso nos jogos de futebol.


Copa do Brasil – 13 Maio 2009

Mengo!
Estou sempre contigo
Somos uma nação
Não importa onde esteja
Sempre estarei contigo
Com meu manto sagrado
Minha bandeira na mão
O Maraca é nosso
Vai começar a festa!
Dá-lhe, dá-lhe, ô (3x)
Mengão do meu coração
Dá-lhe, dá-lhe, ô (3x)
Mengão do meu coração

Agora a ORIGINAL!


Campeonato Gaúcho – 16 Fevereiro 2008

Inter!
Estaremos contigo
Tu és minha paixão
Não importam o que digam
Sempre levarei comigo:
Minha camisa vermelha
E a cachaça na mão
O gigante me espera
Para começar a festa
Xalaia laiá (3x)
Você me deixa doidão
Xalaia laiá (3x)
Inter, do meu coração

E aí flamerdistas, qual será o próximo canto a ser copiado?

Que tal este?

Glórias do desporto nacional, Ó lnternacional
Que eu vivo a exaltar….

Anúncios

A poltrona 36

priscilla

 É impressionante a qualidade dos ônibus rodoviários fabricados no Brasil. Eles são desenvolvidos com a mais moderna tecnologia, para proporcionar aos passageiros o máximo espaço e conforto em viagens interestaduais.As maiores empresas de ônibus do mundo possuem esses exemplares brasileiros que lhes oferece economia, resistência e o menor custo operacional possível.
Atentos a essas vantagens, também os clubes de futebol adquiriram ônibus. O Grêmio até se orgulha disso. O Trovão Azul, adquirido na gestão do presidente Guerreiro, é um espetáculo e permite, em viagens longas, que os craques gremistas descansem depois de um dura partida de futebol.

Esse ônibus, orgulho do ex-presidente Flávio Obino, possui dois andares. A parte de baixo, é dedicada ao entretenimento. Lá existe um bar, televisão, som e mesas de jogos. Os rapazes mais alegres preferem o andar de baixo. No andar de cima, viajam àqueles que querem descansar, relaxar, dormir.

Tudo estaria correto não fosse a utilização, por alguns jogadores, do andar de baixo do Trovão Azul, para promoverem uma verdadeira orgia. Isso foi visto pelo ex vice-presidente de futebol, Hélio Dourado. A festa teria ocorrido na volta de Curitiba.

No andar de baixo foi realizada uma farra, enquanto integrantes da comissão técnica, dirigentes e a maioria dos atletas tentava descansar no andar de cima.
Esse comportamento se repetiu na vinda de Pelotas, depois do jogo contra a Ponte Preta.

Nessa noite, no andar de baixo, os rapazes alegres até dançaram a Éguinha Pocotó.

O dr. Hélio Dourado, um gremista de história no clube, se diz chocado com o que viu: “ Vi coisas que jamais pensei que veria. Esses cavalheiros, com graves problemas de comportamento, não podem vestir a camisa do Grêmio”, disse Dourado, um dos cardeais do clube.

O que teria visto Dourado para se dizer horrorizado com os fatos a ponto de fazer uma relatório apontando para Odone os indisciplinados do grupo?
Ao que se diz, não foi somente as farras ocorridas no andar de baixo do Trovão Azul, que deixaram o experiente dirigente indignado.

O pior teria ocorrido na poltrona 36.

O andar de cima do Trovão Azul possui dezenas de poltronas. A última, lá na parte traseira do ônibus é a poltrona de número 36. Não fosse se localizar praticamente em cima das rodas traseiras, a poltrona 36 seria igual as outras. Ela dispõe do mesmo conforto e até amacia os solavancos. Normalmente, os jogadores que querem descansar ficam bem distantes do fundo do ônibus. Lá, um mesmo grupo se aboleta no conforto das poltronas para jogar conversa fora. A conversa, quase sempre em tom mais alto, provoca gargalhadas homéricas. Quem quer silêncio, também não senta por lá.

Pois, foi na poltrona 36, no fundo do ônibus, que um dirigente teria visto uma cena que o teria escandalizado. Pelo menos era isso que se dizia na noite da posse de Paulo Odone, na presidência do Grêmio.

A bordo do Trovão Azul o time voltava de Curitiba. Um dirigente estava sentado nas poltronas localizadas na parte da frente do ônibus. Cansado, e sem conseguir conciliar o sono resolveu espichar as pernas. Ele se levanta e vai até o fundo do ônibus e vê uma cena que o deixou petrificado. Na poltrona 36, dois jogadores, desolados com a derrota ou alheios a ela, se consolavam.

Escandalosamente.

Quem viu, viu! Quem não viu, ouviu.

À boca pequena!!!

Fonte: Jornal do Comércio

Um pai desesperado tenta convencer o filho a ser corintiano…

de Giacomo Berdinazzi

FILHO: Pai, por que o senhor sempre fala que eu tenho que ser Corintiano?

PAI: Porque o Corinthians é o melhor time do mundo filho. É o Timão!

FILHO: Mas o Corinthians não foi rebaixado para a segunda divisão? E o apelido Timão não é porque no símbolo do Corinthians tem um timão de navio?

PAI: Bem, é verdade. Mas nós só fomos rebaixados por causa de uma parceria com um fundo de investimentos chamado MSI que desgraçou o Corinthians.

FILHO: Mas não foi essa MSI que comprou o Tevez, o STJD e o Márcio Rezende de Freitas para garantir o título nacional de 2005 que na verdade foi conquistado pelo Internacional?

Continuar lendo