Google chuta a bunda do ECAD, que admite erro

O ECAD, orgão fiscalizador que cobra taxas de direitos autorais, tinha a intenção de cobrar pela incorporação de vídeos do YouTube e Vimeo em alguns blogs.

Levou um baita puxão de orelha da Google.

O caso ganhou repercussão na mídia mundial devido sua tamanha imbecilidade.

O próprio diretor de políticas públicas da Google Brasil teve que perder seu tempo pra esclarecer a situação e dar “uma luz” pra ECAD.

E a Google ao meu ver, só reconhece esse órgão devido ao próprio tamanho de sua gigante empresa que se obrigou a se tornar uma multinacional e com filial tupiniquim, pois se existisse somente a Google Inc (a Google da Califórnia/US) e controlasse tudo de lá, eu acharia muito bom ela “dar de ombros” pra esse assunto.

Brasileiro mais uma vez sendo motivo de piada lá fora.

Pasos Al Costado

La 12 do Boca

La 12 do Boca

A música Pasos Al Costado é originalmente da banda argentina Turf, e seu criador é torcedor do River, mas ironicamente a primeira torcida que adaptou a música foi a ‘La 12’ do Boca. Mas na Argentina essa adaptação pegou tão forte que atualmente os principais clubes já tem sua versão: Boca Juniors, River, Racing, Newell’s Old Boys, Independiente.

E não demorou muito para sair do país, sendo adaptado pela torcida do Tigres e do Pumas do México e depois, chegou ao Brail praticamente ao mesmo tempo pela torcida do Grêmio e Internacional. Não seria equívoco dizer que os principais clubes do sul do continente usam este canto.

Eu particularmente não gosto muito de trazer cantos de outros países. Não por este caso se tratar de uma canção Argentina, mas gostaria de que em nossos estádios cantássemos músicas criadas aqui, como por exemplo as adaptações do Tema da Vitória do Internacional e Flamengo, Pelados em Santos do Inter e Flamengo, Não Pára/Melhor Amigo do Internacional e Corinthians, Asa Branca do Flamengo, Tá Chegando a Playboyzada (Lá Lá Lá Lá Lá Brizola) do Fluminense.. entre tantos outros.

Quem lembrar de mais cantos originalmente brasileiros vai postando nos comentários.

Aqui a música original: Pasos Al Costado, Turf.

Flamengo copia Inter, novamente!

A maior torcida do Brasil copiou um canto colorado, pela segunda vez, a primeira você pode ler aqui.

Desta vez, o plágio tem a canção inspirada na música Pelados em Santos, do grupo Mamonas Assassinas.

A estréia do canto colorado se deu no início do Gauchão de 2008, ganho de forma invicta pelo Internacional e remonta ao jogo contra a equipe do Juventude no Beira-Rio, na data de 1/2/2008.

Hoje ao acessar o site do Globo Esporte, me deparo com a seguinte notícia:

Líder do NBB, basquete do Flamengo inspira novo ‘grito de guerra’. 

Lê aí.

Aí você vai me pedir pra eu dar um tempo, pois afinal é a equipe de basquete do Flamengo. Basquete… uma ova… esse bando de pau no cu tá cantando isso nos jogos de futebol.


Copa do Brasil – 13 Maio 2009

Mengo!
Estou sempre contigo
Somos uma nação
Não importa onde esteja
Sempre estarei contigo
Com meu manto sagrado
Minha bandeira na mão
O Maraca é nosso
Vai começar a festa!
Dá-lhe, dá-lhe, ô (3x)
Mengão do meu coração
Dá-lhe, dá-lhe, ô (3x)
Mengão do meu coração

Agora a ORIGINAL!


Campeonato Gaúcho – 16 Fevereiro 2008

Inter!
Estaremos contigo
Tu és minha paixão
Não importam o que digam
Sempre levarei comigo:
Minha camisa vermelha
E a cachaça na mão
O gigante me espera
Para começar a festa
Xalaia laiá (3x)
Você me deixa doidão
Xalaia laiá (3x)
Inter, do meu coração

E aí flamerdistas, qual será o próximo canto a ser copiado?

Que tal este?

Glórias do desporto nacional, Ó lnternacional
Que eu vivo a exaltar….

GPRS da TIM

Sou usuário novo da TIM e usei o GPRS pra fazer uma pesquisa no meu celular, pensei que a tarifação era por KB como nas outras, mas é tarifado por minuto, independente do consumo.

Fui pesquisar algumas coisas sobre GPS no Google e segundo meus cálculos devo ter gasto entre 30kb a 40kb, mas demorei cerca de 15 minutis para ler o texto, gostaria de grifar aqui que enquanto eu estava lendo não estava trafegando nenhum KB. Se eu tivesse feito isso de um chip que cobra por KB, como BrT ou Claro, o custo seria um pouco mais de R$3,00. Mas como a TIM tarifa por minuto o meu gasto foi de R$8,60.

Se alguem acessar o YouTube pelo GPRS da TIM e assistir um trailer de duração de 3 minutos, demoraria pelo menos 1 hora e 20 minutos pra baixar o vídeo, conclui-se que para ver um trailer custaria R$50,00. Com esse dinheiro todo eu levo uma garota à uma boa lanchonete e vamos ao cinema com direito a pipoca.

Embora se a TIM mudar seu esquema de tarifação, que pra mim é abusiva, o preço do KB das outras operadoras continua caro.

Pagar R$8,60 por uma pesquisa no Google é uma loucura, mas se fosse R$3,00 também continuaria sendo um absurdo.

Zeitgeist – A maior estória já contada

Horus

Esta é a primeira parte do filme ‘Zeitgeist‘, essa primeira parte é chamada de ‘The Greatest Story Ever Told’, fala sobre como toda a base do cristianismo é uma colcha de retalhos de religiões e mitos muito mais antigos que Jesus.

Parte 1: http://br.youtube.com/watch?v=LbiO_fBeg3I

Parte 2: http://br.youtube.com/watch?v=6wriY1CA3lQ

Parte 3: http://br.youtube.com/watch?v=GPkB9X2Kclg

A legenda tem alguns erros de tradução, mas mesmo assim vale a pena olhar.

EDIT: Coloquei no 4shared o documentário em rmvb, tem 75MB. Baixe-o AQUI.

Documentário – O Deus que não estava lá


Este é um documentário chamado ‘The God Who Wasn’t There’, de Brian Flemming.  Tentei dispinibilizar o vídeo pra download um tempo atrás aqui no blog, mas manter um link online é difícil e desisti, coloquei apenas algumas cenas no YouTube.

Porém descobri que colocaram o documentário inteiro no YouTube, então através do blog disponibilizo os links a quem interessar:

Parte 1 – http://br.youtube.com/watch?v=Oi0J44nBHcg
Parte 2 – http://br.youtube.com/watch?v=ogA8D5PHTpk
Parte 3 – http://br.youtube.com/watch?v=aYMHg2OVJnw
Parte 4 – http://br.youtube.com/watch?v=qbsiWObNWmE
Parte 5 – http://br.youtube.com/watch?v=h5vVfsVGIwE
Parte 6 – http://br.youtube.com/watch?v=C1UF_avZpwo
Parte 7 – http://br.youtube.com/watch?v=jjI_3_XQlwk

A justiça da Bola

Confira o artigo escrito pelo presidente Fernando Carvalho que foi publicado em 08 de Outubro de 2005 na Folha de São Paulo e depois assista o vídeo depois do texto.

Fernando Chagas Carvalho Neto
Presidente do Sport Club Internacional

 

A bola não é a inimiga
como o touro, numa corrida;
e, embora seja um utensílio
caseiro e que se usa sem risco,
não é o utensílio impessoal,
sempre manso, de gesto usual:
é um utensílio semivivo,
de reações próprias como bicho
e que, como bicho, é mister
(mais que bicho, como mulher)
usar com malícia e atenção
dando aos pés astúcias de mão.

João Cabral de Melo Neto
O futebol brasileiro evocado da Europa

 

Fui buscar, na pena e no sentimento do poeta pernambucano, consolo e estímulo para enfrentar a violência que se derramou sobre o futebol nacional, a partir do último domingo, quando, em rede nacional de emissoras de rádio e TV, horas antes do início de mais uma rodada do Campeonato Brasileiro da Série “A”, o Presidente do STJD anunciou a anulação de 11 partidas suspeitas de manipulação de resultados pelo árbitro Edilson Pereira de Carvalho.

Detalhes acerca da denominada máfia da arbitragem são conhecidos do grande público, dada a ampla divulgação realizada pela mídia.

Todavia, desde os anos de chumbo, não se sabia de ato de exceção tão esdrúxulo, destemperado, imperial e draconiano como o praticado pelo Dr. Zveiter, sem o engenho e a arte de um Armando Falcão ou de um Golbery.

Sem, sequer examinar, mesmo sumária, mas tecnicamente, as reproduções televisivas dos 11 jogos, em inédito “processo secreto”, o Dr. Zveiter, baseado na opinião técnica do pai de um amigo seu, de identidade não revelada, que dissertou sobre a dubiedade comportamental, enquadrou os procedimentos e declarações do árbitro Edilson nesse matiz, extraindo daí o fundamento jurídico para sua irrecorrível decisão, sem que fosse possibilitado a interessados diretos – os clubes, vez e voz no procedimento administrativo originário.

Quem não gostaria de ser amigo do rei , ou, também, pai do amigo do monarca !!!

Pois, pasmem os leitores, a decisão, assim publicizada, que atinge patrimônio de clubes, direitos de jogadores e a expectativa de torcedores e consumidores, não permite a estes o acesso aos autos, na medida em que, segundo o Dr. Zveiter, correm “em segredo de justiça”, ferindo a garantia constitucional que assegura o contraditório, a ampla defesa, o acesso ao Judiciário e as normas do próprio CBJD (art. 37), e bem assim o próprio Estatuto do Torcedor (Lei nº 10.671/2003) que impõe sejam públicos os atos processuais perante a Justiça Desportiva (artigo 34), vedando expressamente a tramitação dos processos em segredo de justiça (artigo 35, parágrafo único), sob pena de nulidade absoluta das decisões que resultarem dos procedimentos em que haja a inobservância destas premissas (artigo 36).

Acreditem, não podem os clubes, diretamente prejudicados, sequer usar dos recursos que lhes são oferecidos pela Justiça Comum, porquanto poderão ser penalizados com rebaixamento à série hierarquicamente inferior, hipótese que “Seu Zveiter” (como dizem os atletas), proclama aos quatro ventos para sustentar suas decisões.

Trata-se, simplesmente, do futebol pentacampeão mundial, do maior e melhor certame da modalidade, circunstância que atrai atenções e interesses, especialmente mercadológicos, de todos os recantos do planeta.

Não acredito que a decisão proferida sem a observância dessa realidade e dos critérios fixados em lei, que determinam a comprovação caso a caso da contaminação ou manipulação de resultados para que seja anulada a partida (art. 259, par. único, c/c art. 275, par. único, do CBJD), tenha por justificativa privilegiar o Corinthians ou qualquer outra agremiação. Contudo com a anulação dos 11 jogos, reflexamente, o Timão foi extremamente beneficiado, tanto pela questão anímica, como pela possibilidade de reaver 6 pontos que perdera dentro do campo, sem a prova de fraude .

Sou e continuarei, como qualquer torcedor, amante do bom futebol, do jogo jogado, da firula, do drible, da forte marcação, do lançamento, da assistência e, acima de tudo, do gol.

Este amor não se deixará trair ou iludir por episódios de duvidosa consistência, e por atitudes impróprias para um futebol repleto de glórias

Será pela astúcia, pela malícia, pelas sutilezas da bola que se fará justiça.

É bom frisar: A BOLA PUNE !

Acredito, como João Cabral, que, ao final, a bola triunfará.

DALE COLORADO!